quinta-feira, 24 de agosto de 2017

A vida das escravas sexuais dos bordeis nazistas

Mistérios do Mundo
Mistérios do Mundo
Mistérios do Mundo
Mistérios do Mundo
Mistérios do Mundo
Mistérios do Mundo

«Somos amigos separados por arame-farpado; sorrimo-nos, sem nos podermos abraçar.»


Marguerite Yourcenar. Mishima ou a Visão do Vazio. Relógio D'Água, 1ª edição, Lisboa., p. 73

«o próprio prazer perdeu o sabor»

As Vozes dos Heróis Mortos

terça-feira, 22 de agosto de 2017




'' os órgãos sexuais que os seres humanos passeiam sob as roupas''


Marguerite Yourcenar. Mishima ou a Visão do Vazio. Relógio D'Água, 1ª edição, Lisboa., p. 68

O Meu Amigo Hitler

Os Crisântemos do Décimo Dia


''A busca do amor roça a busca do infinito''


Marguerite Yourcenar. Mishima ou a Visão do Vazio. Relógio D'Água, 1ª edição, Lisboa., p. 67

«E, no entanto, o nível de desgosto e da sensação de vazio ia subindo, um vazio que ainda não era o Vazio perfeito do jardim da abadessa, mas o vazio de toda a vida, fracassada ou conseguida, ou ao mesmo tempo uma coisa e outra.»

Marguerite Yourcenar. Mishima ou a Visão do Vazio. Relógio D'Água, 1ª edição, Lisboa., p. 65

«A sua vida tinha conhecido outros desaires.»


Marguerite Yourcenar. Mishima ou a Visão do Vazio. Relógio D'Água, 1ª edição, Lisboa., p. 64

''ingenuamente ávido de honras''


Marguerite Yourcenar. Mishima ou a Visão do Vazio. Relógio D'Água, 1ª edição, Lisboa., p. 63

a atracção pela morte é frequente nos seres ávidos de vida



   «O que nos interessa é ver por que caminhos o Mishima brilhante, adulado, ou, o que acaba por resultar no mesmo, detestado pelas suas provocações e o seu êxito, se tornou, pouco a pouco, um homem determinado a morrer. De facto, uma tal pesquisa é parcialmente vã: a atracção pela morte é frequente nos seres ávidos de vida;»




Marguerite Yourcenar. Mishima ou a Visão do Vazio. Relógio D'Água, 1ª edição, Lisboa., p. 63

« - Cada um de nós deve decidir de acordo com o seu coração, diz a abadessa.»


Marguerite Yourcenar. Mishima ou a Visão do Vazio. Relógio D'Água, 1ª edição, Lisboa., p. 61

A memória é um espelho de fantasmas.

« - A memória é um espelho de fantasmas. Às vezes mostra objectos demasiado longínquos para poderem ser vistos e outras faz com que pareçam muito próximos.»



Marguerite Yourcenar. Mishima ou a Visão do Vazio. Relógio D'Água, 1ª edição, Lisboa., p. 61
«Toru é um monstro, que a inumana inteligência torna ainda mais monstruoso. Este robot criado por uma sociedade mecanizada vai aproveitar a oportunidade. Estuda, apesar de não ter qualquer gosto em aprender.»

Marguerite Yourcenar. Mishima ou a Visão do Vazio. Relógio D'Água, 1ª edição, Lisboa., p. 56

''os inculpados''

''carne de cera''


''brancura invernal''

''saleiro entornado''

Marguerite Yourcenar. Mishima ou a Visão do Vazio. Relógio D'Água, 1ª edição, Lisboa., p. 44

«Já houve demasiados adeuses.»

«Não é apenas ao seu amante que ela renuncia, mas a si própria. «Já houve demasiados adeuses.»

Marguerite Yourcenar. Mishima ou a Visão do Vazio. Relógio D'Água, 1ª edição, Lisboa., p. 42

A insipidez da vida social e mundana

«A insipidez da vida social e mundana é tal que o autor não precisa de fazer o esforço, tradicional em França, e constante em Proust, de o condimentar com humor e ironia. A sua total insipidez redu-la, de certo modo, a nada.»

Marguerite Yourcenar. Mishima ou a Visão do Vazio. Relógio D'Água, 1ª edição, Lisboa., p. 41

«Mais tarde, quando Kioyashi, depois de um ballet de hesitações, de esquivas e mentiras, deseja quase sacrilegamente esta rapariga, agora noiva de um príncipe imperial, é num local quase mágico que ela se lhe entrega, numa confusão de tecidos revolvidos e cintas desenroladas pelo chão.»


Marguerite Yourcenar. Mishima ou a Visão do Vazio. Relógio D'Água, 1ª edição, Lisboa., p. 40

a ''americanização'' das massas


«Não é raro que um grande escritor (a correspondência de Thomas Mann com o erudito Karl Kerenyi é disso prova) se lance sobre os manuais para construir os andaimes da estrutura básica da sua obra.»



Marguerite Yourcenar. Mishima ou a Visão do Vazio. Relógio D'Água, 1ª edição, Lisboa., p. 37

O Anjo em Decomposição


''Viver é aprender a lidar com a decepção.''

"A política, especialmente quando queremos distingui-la de outras actividades, exige duas coisas: ter-se dado conta de que o seu terreno próprio é o da contingência; uma especial habilidade para conviver com a decepção."


filósofo Daniel Innerarity

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

É IMPRÓPRIO SER FAMOSO

É impróprio ser famoso
Pois não é isso que eleva.
E não vale a pena ter arquivos
Nem perder tempo com manuscritos velhos.

O caminho da criação é a entrega total
E não fazer barulho ou ter sucesso.
Infelizmente, nada significa
Como uma alegoria andar de boca em boca.

Mas é preciso viver sem pretensões,
Viver de tal modo que no fim de contas
Venha até nós um amor ideal
E ouçamos o apelo dos anos que hão-de vir.

O que é preciso é rever
É o destino, não antigos papéis;
Lugares e capítulos de uma vida inteira
Anotar ou emendar.

E mergulhar no anonimato,
E ocultar nele os nossos passos,
Como foge a paisagem na neblina
Em plena escuridão.

Que outros nesse rasto vivo
Seguirão o teu caminho passo a passo,
Mas tu próprio não deves distinguir
A derrota da vitória.

E não deves por um só instante
Recuar ou trair o que tu és,
Mas estar vivo, e só vivo,
E só vivo - até ao fim.


Boris Pasternak. Antologia da Poesia Soviética. Tradução directa do russo, selecção, prefácio e notas de Manuel de Seabra. Editorial Futura., Lisboa, 1973., p. 97/8

«Todas as datas, tudo passou:
Só resta a alma, nascida em qualquer parte.»


Marina Tsvetayeva. Antologia da Poesia Soviética. Tradução directa do russo, selecção, prefácio e notas de Manuel de Seabra. Editorial Futura., Lisboa, 1973., p. 90
«Para mim é sempre igual
O lugar de vida e humilhação.»


Marina Tsvetayeva. Antologia da Poesia Soviética. Tradução directa do russo, selecção, prefácio e notas de Manuel de Seabra. Editorial Futura., Lisboa, 1973., p. 89

''Sou a tua andorinha, a tua Psique!''

Marina Tsvetayeva. Antologia da Poesia Soviética. Tradução directa do russo, selecção, prefácio e notas de Manuel de Seabra. Editorial Futura., Lisboa, 1973., p. 88

Misericórdia

Santo Agostinho 


 "O que é a misericórdia? Não é outra coisa senão carregar no coração um pouco da miséria [do outro]. "O que é a misericórdia? Não é outra coisa senão carregar no coração um pouco da miséria [do outro]. A palavra "misericórdia" deriva da dor pelo "mísero". Miséria e coração: ambas as palavras estão contidas naquele termo. Quando o teu coração é tocado e atingido pela miséria do outro, então isso é a misericórdia"

“Imagens do Inconsciente”

Psicopatologia da Expressão

indultar

domingo, 20 de agosto de 2017


“Ama-se por memória”

 Álvaro de Campos (Fernando Pessoa)
Poema de canção sobre a esperança
I
Dá-me lírios, lírios,
E rosas também.
Mas se não tens lírios
Nem rosas a dar-me,
Tem vontade ao menos
De me dar os lírios
E também as rosas.
Basta-me a vontade,
Que tens, se a tiveres,
De me dar os lírios
E as rosas também,
E terei os lírios —
Os melhores lírios —
E as melhores rosas
Sem receber nada.
A não ser a prenda
Da tua vontade
De me dares lírios
E rosas também.
II
Usas um vestido
Que é uma lembrança
Para o meu coração.
Usou-o outrora
Alguém que me ficou
Lembrada sem vista.
Tudo na vida
Se faz por recordações.
Ama-se por memória.
Certa mulher faz-nos ternura
Por um gesto que lembra a nossa mãe.
Certa rapariga faz-nos alegria
Por falar como a nossa irmã.
Certa criança arranca-nos da desatenção
Porque amámos uma mulher parecida com ela
Quando éramos jovens e não lhe falávamos.
Tudo é assim, mais ou menos,
O coração anda aos trambulhões.
Viver é desencontrar-se consigo mesmo.
No fim de tudo, se tiver sono, dormirei.
Mas gostava de te encontrar e que falássemos.
Estou certo que simpatizaríamos um com o outro.
Mas se não nos encontrarmos, guardarei o momento
Em que pensei que nos poderíamos encontrar.
Guardo tudo,
(Guardo as cartas que me escrevem,
Guardo até as cartas que não me escrevem —
Santo Deus, a gente guarda tudo mesmo que não queira,
E o teu vestido azulinho, meu Deus, se eu te pudesse atrair
Através dele até mim!
Enfim, tudo pode ser…
És tão nova — tão jovem, como diria o Ricardo Reis —
E a minha visão de ti explode literariamente,
E deito-me para trás na praia e rio como um elemental inferior,
Arre, sentir cansa, e a vida é quente quando o sol está alto.
Boa noite na Austrália!
17-6-1929
Álvaro de Campos – Livro de Versos . Fernando Pessoa. (Edição crítica. Introdução, transcrição, organização e notas de Teresa Rita Lopes.) Lisboa: Estampa, 1993. – 106.

E O MEU CORAÇÃO JÁ NÃO BATE

E o meu coração já não bate
Na minha voz, de alegria e tristeza.
Acabou...E o meu canto galopa
Para a noite vazia, onde tu já não estás.


Anna Akhmatova. Antologia da Poesia Soviética. Tradução directa do russo, selecção, prefácio e notas de Manuel de Seabra. Editorial Futura., Lisboa, 1973., p. 80

I Tell a Fly

''álbum narrativo sobre migrações e fronteiras, sobre a forma como todos somos estrangeiros, bárbaros, ao olhar de alguém.''

sábado, 19 de agosto de 2017

terça-feira, 15 de agosto de 2017

''faz mais quem quer do que quem pode''

diz o povo, e diz com razão

Papel d' Arroz

sensación de vacío


«As cidades da morte,»

Alexei Gastev. Antologia da Poesia Soviética. Tradução directa do russo, selecção, prefácio e notas de Manuel de Seabra. Editorial Futura., Lisboa, 1973., p. 74

ADEUS, MEU AMIGO, ADEUS

Adeus, meu amigo, adeus,
Querido amigo, que trago no coração.
A separação predestinada
Para mais tarde promete novo encontro.

Adeus, meu amigo, sem aperto de mão nem palavras,
Não lamentes e não haja dor nem pena, -
Nesta vida morrer não é nada de novo,
Mas também nada de novo é viver.




* Este poema foi encontrado junto do cadáver do poeta. Foi, sem dúvida, o seu último poema.


Velemir Khlebnikov. Antologia da Poesia Soviética. Tradução directa do russo, selecção, prefácio e notas de Manuel de Seabra. Editorial Futura., Lisboa, 1973., p. 69
«Não acordes aquele que esgotou todos os sonhos,
Não perturbes aquele que não se realizou, -
Demasiado cedo o sofrimento e o cansaço
Encheram totalmente a minha vida.»


Velemir Khlebnikov. Antologia da Poesia Soviética. Tradução directa do russo, selecção, prefácio e notas de Manuel de Seabra. Editorial Futura., Lisboa, 1973., p. 67

«Agora já não quero sofrer mais.
É tempo de lavar o coração confuso.»


Velemir Khlebnikov. Antologia da Poesia Soviética. Tradução directa do russo, selecção, prefácio e notas de Manuel de Seabra. Editorial Futura., Lisboa, 1973., p. 65
«Estou pronto a pôr a minha melhor gravata 
Ao pescoço de qualquer vadio.»


Velemir Khlebnikov. Antologia da Poesia Soviética. Tradução directa do russo, selecção, prefácio e notas de Manuel de Seabra. Editorial Futura., Lisboa, 1973., p. 65
«E enterrar-me-ão sem me lavarem
Ao som dos cães a ladrar.»



Velemir Khlebnikov. Antologia da Poesia Soviética. Tradução directa do russo, selecção, prefácio e notas de Manuel de Seabra. Editorial Futura., Lisboa, 1973., p. 64

«Como deve ser triste viver sem poesia»

Velemir Khlebnikov. Antologia da Poesia Soviética. Tradução directa do russo, selecção, prefácio e notas de Manuel de Seabra. Editorial Futura., Lisboa, 1973., p. 62

«Lançando flores no coração»

Velemir Khlebnikov. Antologia da Poesia Soviética. Tradução directa do russo, selecção, prefácio e notas de Manuel de Seabra. Editorial Futura., Lisboa, 1973., p. 56

''bugiganga lírica''

'Muita 
            porcaria 
                             pode ser escrita em livros!'




Vladimir Ilitch Lenin. Antologia da Poesia Soviética. Tradução directa do russo, selecção, prefácio e notas de Manuel de Seabra. Editorial Futura., Lisboa, 1973., p. 44
Pesou
           o mundo




Vladimir Ilitch Lenin. Antologia da Poesia Soviética. Tradução directa do russo, selecção, prefácio e notas de Manuel de Seabra. Editorial Futura., Lisboa, 1973., p. 40
«(...)


                                 deitado
cobriu
             os olhos cansados
como se
            o seu coração 
                                        sob as palavras estivesse exausto,
como se
                 a sua alma
                                       se arrastasse sob as frases.
Mas eu sabia
                          que aqueles olhos
                                                              captavam
verdadeiramente
                                   tudo 
                                             o que se dizia - »





Vladimir Ilitch Lenin. Antologia da Poesia Soviética. Tradução directa do russo, selecção, prefácio e notas de Manuel de Seabra. Editorial Futura., Lisboa, 1973., p. 40

Grete Stern. Sem título, 1949


''mulheres de consolo''

escravas sexuais do exército Japonês na II Guerra Mundial
«Eu que me aguente comigo e com os comigos de mim.»

Fernando Pessoa


«A noite traz-me a sensação do abismo!»



Soledade Summavielle. Tempo Inviolado. Edição da Autora, Lisboa, 1977., p. 61

«Não importam os olhos marejados
De dores e nostalgias.»


Soledade Summavielle. Tempo Inviolado. Edição da Autora, Lisboa, 1977., p. 57

«E numa só palavra digo tudo.»



Soledade Summavielle. Tempo Inviolado. Edição da Autora, Lisboa, 1977., p. 53

«Dizendo Amor, não sei dissociar-te»



Soledade Summavielle. Tempo Inviolado. Edição da Autora, Lisboa, 1977., p. 53

Inverno e Solidão



Soledade Summavielle. Tempo Inviolado. Edição da Autora, Lisboa, 1977., p. 43

Horas doridas


Soledade Summavielle. Tempo Inviolado. Edição da Autora, Lisboa, 1977., p. 41

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Hand crossed lovers


vivissecção


nome feminino
dissecção praticada num animal vivo, para estudo

''violência fria''

«ondulação da água escura»


Marguerite Yourcenar. Mishima ou a Visão do Vazio. Relógio D'Água, 1ª edição, Lisboa., p. 31

«A célebre cena em que o rapaz e a rapariga encharcados pela chuva se despem e aquecem separados pela lareira feita de ramos secos, ultrapassa em pouco a verosimilhança num país onde o nu quotidiano, por exemplo, nos banhos em que participam os dois sexos, se manteve como tradição nos meios que não sofreram demasiado a influência ocidental.»



Marguerite Yourcenar. Mishima ou a Visão do Vazio. Relógio D'Água, 1ª edição, Lisboa., p. 30

Jacqueline Lamba dans un aquarium II - 1934 by Rogi Andre


«O ventre parecia fazer esforços para vomitar.»

«(...) o nosso mal-estar nasce de uma incerteza»

Marguerite Yourcenar. Mishima ou a Visão do Vazio. Relógio D'Água, 1ª edição, Lisboa., p. 25

O Mar da Fertilidade

O Marinheiro que Perdeu as Graças do Mar

comer avidamente

sábado, 12 de agosto de 2017


I'm So Lonely



I watch the tides roll in I stood there and watch them roll away again Thinkin' about that woman
Oh, that I loved I'm so lonely Oh, I'm so lonely I'm so lonely I could die Why was man made for love When love is so hard to find And I'm still searching For that love of mine I'm so lonely, babe Oh, I'm so lonely now Oh, I'm lonely Oh, I'm lonely I could die Yeah, I never like this In my life before And how long it's gonna last Lord, I just don't know I tell you I'm lonely, Father Oh, I'm some kind of lonely Right now Oh Lord, I'm lonely Oh, I'm so lonely Oh Lord, I could die I'm alone And I'm tired And I'm lonely And I'm real tired now I'm living my way across the water I'm looking way across the water now And all I see is darkness all around I can't see nothing but darkness around that water Oh my Lord Oh Lord, don't you know I'm lonely
reouvéssemos

pirómanos

malcasada

''pedagogos confucianos''

domingo, 6 de agosto de 2017

“A velhice é um outono, rico de frutos maduros; é também um inverno estéril, do qual se evocam a frieza, as neves, as geadas. Tem a serenidade das belas noites. Mas a ela também é atribuída a tristeza sombria dos crepúsculos “

(Beauvoir, Simone).
«escadarias de água para o coração»

ousio

Solidão povoada

violentação semântica

sábado, 5 de agosto de 2017


Jigai - ritual de suicídio feminino

Estando o esventramento reservado aos homens samurais, às mulheres era concedido o direito ao jigai.[18][44] Mulheres pertencentes a famílias aristocráticas, esposas de samurais e principalmente guerreiras onna-bugeisha, cometiam suicídio não pelo estripar do seu ventre, mas cortando as veias jugulares com um só golpe, usando um punhal como um tantō ou kaiken. Os motivos eram semelhantes aos seguidos pelos homens que cometiam seppuku, e no jigai, este deveria ser cometido para preservar a dignidade ou provar a fidelidade da mulher. Tal ato remonta ao século IX, e era o caminho a seguir pelas mulheres da alta classe militar japonesa.[45] Assim, muitas recorriam a esta prática não somente quando estavam impossibilitadas de cumprir uma obrigação, como também em casos em que estava eminente um ato violento de estupro. O jigai era comum em casos de acompanhamento do seu senhor ou marido na morte, mesmo quando estes eram condenados à própria execução. Nestes casos, o jigai só poderia ser feito com autorização do senhor, e desta forma, a mulher não poderia cometer o tão honroso suicídio sem uma prévia permissão. Noutro aspecto o suicídio feminino se fazia diferente ao do homem, e este encontra-se na própria forma litúrgica do ritual. Enquanto o homem abria o abdómen para "desnudar a sua alma", evidenciando a sua dignidade e honra, a mulher introduzia a lâmina de uma tantō na garganta ou no coração.[46]
O ritual feminino era contudo, menos elaborado e não se fazia necessário de um kaishakunin. Antes de cometer o suicídio, a mulher mantinha as suas pernas unidas — amarrando os tornozelos um ao outro — para evitar que na queda as mesmas se abrissem deselegantemente, expondo as suas partes íntimas.
cortar as veias jugulares com um só golpe
rigorosa abnegação e lucidez

Ritual Suicida Japonês


“Sais de casa porque a morte te agita
transpiras pelo empregado de mesa
que lê Balzac, tens ambições literárias
razões, enfim, para andar mal vestido
despenteado com um saco na cabeça
para que se diga ali vai a poesia portuguesa.”
“Quem nunca hesitou na paragem do 28 / e pensou: ali via a metáfora da minha vida.”
“Bebo uma bica por dia, às vezes bebo-a fria
depois disto bem que podia morrer, diga-se
com as mãos ao redor de um pescoço amigo
quero dizer, de um livro. Tenho o carácter
objectivo de uma incompetência para a vida.”
“De resto, tenho uma perninha no bem e outra no mal
e mijo no meio, é honesto imaginar-me assim. ”

Máquina de pendurar existências, o amor

ramillete de rosas

"¿Puede un hombre sonreír cuando contempla a la mujer más triste del mundo?"

La depresión de Venus

quinta-feira, 3 de agosto de 2017


«Desnudas-te cinzenta e angustiada
Em frente dos meus olhos solitários.»


Soledade Summavielle. Tempo Inviolado. Edição da Autora, Lisboa, 1977., p. 21

terça-feira, 1 de agosto de 2017

«Se morreres em pensamento todas as ma-
nhãs, já não terás medo de morrer»

Hagakure
Tratado Japonês do século XVIII