quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017


«Cinzas
sem morte dentro,
mortas por fora.»



António Osório. Por Eduardo Lourenço. Colecção Poetas. Editorial Presença., p. 59

Sem comentários:

Enviar um comentário